quinta-feira, 31 de maio de 2012

Prisão de 10 Anarquistas


      Há 2 dias (29 de maio, terça-feira), 10 anarquistas foram detidos durante uma operação policial na cidade de La Paz (Bolívia).
      O Serviço de Inteligência da Polícia Nacional invadiu as suas casas com um mandato de prisão e prenderam-nos sob a acusação de terrorismo.
      Todos os detidos são estudantes e trabalhadores, mulheres e homens, que apoiam a causa indígena TIPNIS (Território Indígena e Parque Nacional Isiboro-Secure).
      Dos 10, já se sabe o nome de pelo menos 4 presos: Nina Aruma, Jeffer, Renato e Viko.
      Mais info e atualizações em:
      Territórios em Resistência” é uma comunidade de ativistas, pensadores e libertários que acreditam na autonomia e autodeterminação dos povos, na defesa da Mãe Terra e na luta anticapitalista e antifascista por justiça social”.
      Podes ver um vídeo sobre a luta em defesa do TIPNIS em:

quarta-feira, 30 de maio de 2012

1000 Artigos Publicados

       O blogue “Sabe Mais”, do grupo informativo “InfoDia/SabeMais/Anarquinfo”, em http://sabemais.wordpress.com publica hoje o seu artigo número 1000.
      Como a cada artigo corresponde um dia, este blogue tem assim 1000 dias de publicações, desde Setembro de 2009, há quase três anos.
      Já agora, nota que os demais blogues do grupo rondam valores semelhantes: O blogue “Info-Dia”, o primeiro do Grupo, em http://info-dia.blog.pt publica hoje o artigo número 1319; o blogue “InfoDiaSms” em http://infodiasms.blogspot.com publica hoje o artigo número 976 e, por fim, o blogue mais recente do Grupo: “Anarquinfo”, em http://anarquinfo.blogspot.com publica hoje o seu artigo número 943.
      Todos os dias estes blogues publicam artigos de diferente opinião, não massificada, e, muitas vezes, uma informação de difícil acesso.
      O Mundo, a Vida e a Liberdade podem ser melhores do que isto. Esforça-te para o conseguires, cada segundo, cada vez que respires.
      Liberta-te a ti mesmo pelo conhecimento, não acreditando nas mentiras das religiões, dos poderes, dos Estados...
      A sabedoria é o único poder maior. Aprende, para saberes mais do que eles.
      O conhecimento é a tua arma de guerra mais poderosa e destruidora. Usa-a, ataca, mata, destrói.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Skinhead Reciclado

      Byron Widner foi considerado um dos fascistas skinheads mais perigosos dos E.U.A. e mantinha o corpo tatuado com diversas formas racistas e violentas, até na face.
      Recentemente concluiu as 25 cirurgias com laser que removeram as tatuagens de dezenas de anos de discriminação e ódio racial, que exibia com orgulho.
      A postura de Bryon começou a mudar em 2006, quando se juntou com a atual mulher, Julie, de quem teve um filho. A partir daí, o casal formou uma família, juntamente com os filhos do anterior casamento de Julie, decidindo-se a afastar-se da extrema-direita. A reinserção na sociedade não foi fácil. Com tatuagens agressivas, onde se viam suásticas, a palavra “hate” (ódio, em inglês) e lâminas ensanguentadas (que eram as armas preferidas do ex-skinhead), Byron era olhado com desconfiança mal saia de casa, nunca conseguindo emprego. Ninguém queria empregar um homem que tinha estampada, na própria face, uma atitude de ódio e intolerância.
      Desesperados, Byron e a mulher procuraram maneiras de remover as tatuagens, revelando-se a única hipótese o laser, no entanto, uma intervenção demasiado cara para o casal, com cinco jovens a viver em casa. A solução acabou por surgir de um sítio muito improvável. Byron recorreu a um grupo que luta contra os movimentos skinhead e neonazis nos EUA.
      Joseph Roy, um dos principais ativistas de luta contra grupos de ódio, nem queria acreditar quando recebeu o pedido de ajuda de Bryon Widner. De entre os skinhead que conhecia, ele “era o mais agressivo, o mais provocatório, o mais destacado”. Primeiro, Roy desconfiou daquele arrependimento, mas depois de falar com o casal acreditou na sua sinceridade e deu-lhes a mão.
      Através do grupo “Southern Poverty Law Center” (organização norte-americana que monitoriza os "grupos de ódio"), Roy conseguiu a ajuda de um doador anónimo para pagar as cirurgias. Em contrapartida, Byron vai liderar palestras para contar a história da sua mudança de comportamento e atitude, que envolveu também a ajuda do ativista negro Daryle Lamont.
      As 25 cirurgias com laser duraram 16 meses e custaram aproximadamente 27 mil euros. O ex-skinhead já encontrou trabalho e já não sente vergonha de andar na rua com o filho nos braços. O mais difícil será esquecer o passado. O ex-skinhead disse que sonha todas as noites com as pessoas que agrediu.
      Esta mudança do antigo pilar do movimento de extrema-direita nos EUA deu origem ao documentário "Erasing Hate".
      "A sociedade pode ser dura mas as pessoas podem ser perdoadas pelos seus pecados e, aqueles que pensávamos serem os nossos inimigos podem, afinal, tornar-se os teus melhores amigos", concluiu a mulher de Bryon.
      Para saberes mais sobre o assunto e sobre o documentário visita o sítio: http://www.erasinghatethemovie.com/index.html

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Guerrilha Urbana


      A Federação Anarquista Informal e a Frente Revolucionária Internacional, acabam de reivindicar a sabotagem das linhas-férreas de Bristol no passado dia 22, com o comunicado que a seguir, em síntese, se traduziu e reproduz:
      «O objetivo de um ataque de guerrilha é a difusão da luta nos diversos contextos e facetas da vida. Finanças, tribunais, comunicações, estruturas militares e infraestruturas de transporte, continuarão sendo objetivos da nova geração de guerrilha urbana de baixa intensidade.
      Os meios para este tipo de luta estão sempre à mão.
      Na manhã do passado dia 22 de maio, sabotamos dois pontos da rede ferroviária de Bristol, nas partes externas das estações de Patchway (norte) e da rua Parson (sul). Levantamos os blocos de cimento que ladeiam as vias e destruímos os cabos de sinalização que estavam por baixo, antes da chegada dos comboios à linha. Escolhemos precisamente este sítio de forma a afetar concretamente os trabalhadores do Ministério da Defesa, bem como as empresas do setor militar (Raytheon/thales/HP/QuinetiQ/Etc.), do parque industrial próximo da estação de Filton Abbey Wood, bem como o centro empresarial de Bristol, na proximidade da estação de Temple Meads. O serviço só foi restabelecido à noite.
      A potencial difusão deste tipo de bloqueios em geral aporta significativos problemas ao fluxo de mercadorias e de garantia que a exploração laboral chegue a tempo, preocupações chave do capitalismo transnacional.
      Estas ações são um método perene de destruição da “paz social”: desde sabotagens similares em França, furgões blindados destruídos em Creta; a destruição noturna de máquinas multibanco na Austrália; a resistência ao desenvolvimento de autoestradas que rapidamente devoram as paisagens naturais e selvagens, como o bosque Khimki, na Rússia, enquanto desalojam animais e pessoas que ainda repudiam a civilização industrial; até à simbólica apropriação e incêndio de um autocarro em Londres no passado mês de agosto, etc.
      Ali onde os patrões queiram fazer com que andemos a toda a velocidade nas suas metrópoles, como remessa de carne humana em contentores alienantes, por estradas predeterminadas numa corrida frenética pela sobrevivência, existem e continuarão existindo razões para intervir com força no fluxo normal da quotidianeidade.
      Somos alguns dos “não-patriotas” que veem as Olimpíadas de 2012 como o espetáculo continuado de riqueza; quando muitos lutam para se alimentar a si e às suas famílias, isto ocorre hoje no Reino Unido. Nenhum sindicato ou movimento dirige os nossos passos e não temos qualquer pejo em usar a atividade de guerrilha para prejudicar a imagem nacional e paralisar a economia na medida que nos seja possível. E isto porque, simplesmente, não queremos turistas ricos mas antes queremos guerra civil.»
      Texto original no sítio “325”, cuja ligação permanente encontras na coluna dos “Sítios a Visitar”.

domingo, 27 de maio de 2012

Coragem Companheiros!

      Sante Gerónimo Caserio (1873-1894), foi um anarquista italiano que apunhalou e matou o presidente francês, com um único golpe.
      Sante mandou fazer um punhal de propósito para o ato, com cabo em cobre e listras intercaladas de veludo negro e vermelho.
      Em junho, após um banquete, dirigindo-se o presidente francês, em carruagem aberta, a um baile de gala, Sante saltou para a carruagem e, de um só golpe, apunhalou o presidente, cravando-lhe o punhal entre o pescoço e o peito.
      No julgamento, Sante, veio a ser condenado à pena de morte, por guilhotina, tendo recebido o veredicto com um grito de “Viva a Revolução”.
      As suas últimas palavras no tribunal foram:
      «Se os governantes podem usar contra nós espingardas, correntes e prisões, nós devemos; nós os anarquistas, para defendermos nossas vidas, devemos nos ater às nossas premissas? Não. Pelo contrário, a nossa resposta aos governantes será a dinamite, a bomba, o estilete, o punhal. Numa palavra, temos que fazer todo o nosso possível para destruir a burguesia e o governo.»
      No cadafalso, segundos antes de morrer, Caserio gritou à multidão que assistia: «Coraggio compagni e viva l’Anarchia.» (Coragem Companheiros e viva a Anarquia [o Anarquismo]).
      Tinha 22 anos de idade.

sábado, 26 de maio de 2012

O Salário Mínimo

      Foi num dia como o de hoje mas do ano de 1974 (há 38 anos) que, em Portugal, após a Revolução de Abril, foi fixado o primeiro Salário Mínimo.
      Na altura, o valor fixado foi de 3300$00 Escudos, isto é, € 16,46 Euros.
      Atualmente o Salário Mínimo Nacional (SMN) já não se denomina dessa forma mas sim RMMG: Retribuição Mínima Mensal Garantida, e o valor pretende-se atualizado anualmente, encontrando-se no corrente ano nos € 485,00 que deveriam ser pagos em 14 prestações anuais (12 meses + 2 subsídios).
      O Salário Mínimo, ou a atual Retribuição Mínima, visa a proteção do trabalhador contra a exploração capitalista em virtude do excesso de oferta de mão-de-obra (desempregados), prevenindo-se assim o aproveitamento dos empregadores em face do excesso de pessoas que aceitariam trabalhar por cada vez menos salário.
      Os economistas da escola Keynesiana viam a existência do salário mínimo como uma vantagem económica que permitia estabilidade e crescimento, porquanto permitiria a circulação do dinheiro por parte dos trabalhadores, beneficiando, a final, os empregadores, pelo retorno.
      Em contrapartida, os economistas “neoclássicos” consideram o salário fixado um entrave para a contratação de trabalhadores, o que gera desemprego estrutural, uma vez que os empregadores se sentem coibidos de ofertar mais emprego devido à fixação artificial de um valor que reputam como inadequado à realidade do mercado, isto é, que reputam como elevado.
      Para além das sábias visões técnicas dos especialistas em economia e mercados, os trabalhadores que o auferem, por sua vez, afirmam ser tal salário curto para viverem com dignidade durante todo um longo mês, pretendendo que esse valor seja incrementado, ainda que não para um valor que lhes permita um enriquecimento idêntico ou minimamente parecido com aquele que o empregador consegue, pelo menos que lhe permita viver, a si e à sua família, com um mínimo de dignidade, pelo que aqui se propõe a instituição, em substituição da RMMG do PDMG, isto é, do Pagamento Digno Mínimo Mensal Garantido.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

O Suicídio na Grécia

      Chegam da Grécia mais notícias de como a crise está a levar as pessoas ao suicídio. Desta vez foi uma mãe e um filho que saltaram de mãos dadas do cimo de um prédio.
      O filho, músico, de 60 anos, cuidava da mãe, com 90 anos e, não tendo como interná-la num lar para que a cuidassem, nem tendo dinheiro para tal, escreveu num sítio de músicos e poetas uma mensagem desesperada: «Chamo-me Antonios Perris. Durante 20 anos tomei conta da minha mãe que sofre de Alzheimer desde há três ou quatro anos. Recentemente foi-lhe diagnosticada esquizofrenia e outros problemas de saúde, doenças que lhe vedam a entrada num lar de terceira idade. O problema é que não estava preparado quando a crise chegou. Apesar de ter possuído alguns bens, já os vendi todos, não tenho dinheiro, nem o que comer. Alguém conhece uma solução?».
      Dados não oficiais, divulgados por médicos e ONG, estimam que nos últimos três anos cerca de 2500 cidadãos gregos tenham escolhido a morte como solução para os seus problemas.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Bob Dylan #71

      Bob Dylan faz hoje 71 anos de idade.

      O cantor e compositor norte-americano chama-se verdadeiramente Robert Allen Zimmerman e foi num dia como o de hoje (24 de maio) mas do ano de 1941 que nascia no estado de Minnesota.


      Neto de imigrantes judeus russos, aos dez anos de idade Dylan escreveu os seus primeiros poemas e ainda adolescente aprendeu piano e guitarra sozinho.

      A revista Rolling Stone elegeu-o como o 2º melhor artista de todos os tempos, ficando atrás dos “Beatles” mas uma das suas principais canções, “Like a Rolling Stone”, foi escolhida como a melhor canção de todos os tempos.


      Este cantautor é, indubitavelmente, um marco, não só na música como no pensamento livre e crítico estando intrinsecamente associado a inúmeras revoltas e conceções livres e libertárias do Mundo, pelo que aqui se impõe fazer constar, pelo menos um artigo sobre este dinossauro gigante da música que marcou tantas gerações de jovens que sonharam com um Mundo diferente daquele em que hoje vivem de mãos atadas.


      Abaixo podes ver a letra e ouvir a canção considerada a melhor canção de todos os tempos: “Like a Rolling Stone” de 1965.

Once upon a time you dressed so fine
You threw the bums a dime in your prime, didn’t you?
People’d call, say, “Beware doll, you’re bound to fall”
You thought they were all kiddin’ you
You used to laugh about
Everybody that was hangin’ out
Now you don’t talk so loud
Now you don’t seem so proud
About having to be scrounging for your next meal

How does it feel
How does it feel
To be without a home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

You’ve gone to the finest school all right, Miss Lonely
But you know you only used to get juiced in it
And nobody has ever taught you how to live on the street
And now you find out you’re gonna have to get used to it
You said you’d never compromise
With the mystery tramp, but now you realize
He’s not selling any alibis
As you stare into the vacuum of his eyes
And ask him do you want to make a deal?

How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

You never turned around to see the frowns on the jugglers and the clowns
When they all come down and did tricks for you
You never understood that it ain’t no good
You shouldn’t let other people get your kicks for you
You used to ride on the chrome horse with your diplomat
Who carried on his shoulder a Siamese cat
Ain’t it hard when you discover that
He really wasn’t where it’s at
After he took from you everything he could steal

How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

Princess on the steeple and all the pretty people
They’re drinkin’, thinkin’ that they got it made
Exchanging all kinds of precious gifts and things
But you’d better lift your diamond ring, you’d better pawn it babe
You used to be so amused
At Napoleon in rags and the language that he used
Go to him now, he calls you, you can’t refuse
When you got nothing, you got nothing to lose
You’re invisible now, you got no secrets to conceal

How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?



      Esta canção teve, como não podia deixar de ser, ao longo dos anos, inúmeras versões, como a dos Rolling Stones ou dos Green Day, que abaixo também podes ouvir e comparar.






quarta-feira, 23 de maio de 2012

Nem Deus Nem Patrão

      Num dia como o de hoje, 23 de maio, do ano de 1885 (há 127 anos) saía em Bruxelas o primeiro número do jornal "Ni dieu ni Maître" “Organe communiste-anarchiste” (Nem Deus Nem Patrão; órgão comunista-anarquista).
      Este jornal esteve proibido em França e deixou de sair no ano seguinte, sendo substituído pelo "La Guerre Sociale" (A Guerra Social), tendo tido por subtítulos: "Si dieu existait il faudrait l'abolir" (Se Deus existir será necessário aboli-lo) Bakunine e "Notre ennemi, c'est notre maître" (O nosso inimigo é o nosso chefe) La Fontaine.


terça-feira, 22 de maio de 2012

A Felicidade de Todos os Seres

      A Felicidade de Todos os Seres na Sociedade Futura é o título da conferência de Gonçalves Correia no V Congresso dos Trabalhadores Rurais de 6 de dezembro de 1922, no Teatro Garcia de Resende, na cidade de Évora (Portugal).
      Em 1931, a tipografia Porvir, de Beja (Portugal), editou a intervenção em livro que agora, 90 anos após a sua inicial prolação no congresso, foi digitalizado e está disponível no Mundo chegando, sem dúvida, a muitos mais do que aqueles a que na altura chegou (este livro teve uma tiragem de 3000 exemplares na primeira e outros 3000 na segunda edição. Note-se que, para a época, conteúdo, região e país é um muito importante número, mesmo um elevado número).
      Este pequeno livro digitalizado, com 26 páginas, lê-se de um fôlego, não só por ser breve, mas pela magnificência da sua visão, a qual não está, pese embora o tempo decorrido, desatualizada.
      Começa assim:
      «Nenhum de nós, se tivermos amplas qualidades de raciocínio, deixa de reconhecer a infelicidade tremenda dos seres; dos seres, disse eu, não especificando apenas os seres humanos, pelo convencimento em que estou de que o sofrimento, obra maléfica do Homem, se estende horrorosamente até aos irracionais.
      A vida, todos o sabemos, não tem aqueles poéticos encantos de que deveria ser revestida. Ah! Que encantadora pode vir a ser a vida dos seres logo que o Homem se convença do papel que tem a desempenhar na sua curta existência!»
      Livro digitalizado disponível em:
      https://docs.google.com/file/d/0B-6gLAaU9D9jMFVDRmtzelVRYmE0UHpfUTBYWVNuUQ/edit?pli=1

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Ação Anarquista

      A Polícia de Segurança Pública Portuguesa anunciou ter detido ontem em Lisboa duas pessoas integrantes de um grupo com cerca de 80 pessoas, que classificou como anarquistas, e que se encontravam a atirar às fachadas dos edifícios das sedes dos partidos políticos, ovos, fruta podre e tinta.
      A polícia declarou ainda que os dois elementos detidos eram portadores de armas brancas e de substância que poderia ser usada no fabrico de explosivos, para além dos ovos e da fruta que, como todos sabem, são armas letais, principalmente se estiverem podres.
      De acordo com a polícia, este ataque feroz já era conhecido, pois fora combinado nas redes sociais da Internet, que a polícia mantém sob vigilância. Por este motivo o grupo só pintou duas fachadas de dois partidos.
      A polícia anunciou ainda que um dos homens detidos estava na posse de um petardo e desconhecia que o Carnaval já havia passado.
      A polícia identificou ainda outros membros do grupo, informando que eram portugueses mas também havia estrangeiros, associando-os àqueles que provocaram confrontos com a polícia durante a última greve geral e, bem assim, com aqueles que há semanas ocupam uma casa devoluta na rua de São Lázaro, em Lisboa.
      Os órgãos mass media de tudo deram notícia, acrescentando por fim que a polícia sabia que o grupo estava preparado para um confronto violento com as autoridades, devido ao armamento apreendido e acima já mencionado.
      Ai que medo que deves ter dos anarquistas maus, ó bom cidadão! Não será melhor legislar algo para os deter já? Pensa nisto, ó bom cidadão, pensa porque eles são mesmo maus, até ocuparam uma casa abandonada e odeiam os partidos políticos, vê lá bem, para lhes atirar ovos e outros alimentos...

domingo, 20 de maio de 2012

Timor-Leste #10

      Comemora-se hoje o dia da independência de Timor-Leste, um dos mais recentes países do Mundo, deste século XXI, independente desde o ano de 2002.
      O território de Timor foi descoberto em 1512 e pertenceu, como colónia, a Portugal até 1975, altura em que, por efeitos da revolução ocorrida em Portugal (o 25 de abril de 1974 e a retirada de todas as colónias), foi concedida a independência ao povo timorense que comemorou tal independência durante apenas 3 dias, pois foi invadido e ocupado pela Indonésia, nunca desfrutando pois (para além dos 3 dias) da tal independência de Portugal, até ao seu reconhecimento internacional que hoje se comemora e completa a sua primeira década (10 anos).
      Convém recordar que desde 1975 e até ao referendo de 1999, organizado pelas Nações Unidas, no qual o povo timorense manifestou a sua vontade (com 78% dos votos dos 98% que foram às urnas) em se tornar um país independente da Indonésia, decorreram quase 25 anos de ocupação indonésia, outra ditadura que substituiu a de Portugal, mas que a FRETILIN (Frente Revolucionária de Timor-Leste) corajosamente enfrentou, durante todos esses anos, vivendo nas montanhas e atacando o exército indonésio que nunca foi capaz de acabar com os resistentes.
      Timor-Leste é um país de língua oficial portuguesa e pertence à CPLP, no entanto, este pequeno país é uma autêntica babel linguística. De acordo com a Constituição de Timor-Leste, o tétum e o português têm o estatuto de línguas oficiais e de acordo com o parágrafo 3º do artigo 3º da Lei 1/2002, em caso de dúvida na interpretação das leis dar-se-á primazia ao português. Mas para além da língua nacional (o tétum), existem ainda mais 15 línguas nacionais em Timor-Leste: ataurense, baiqueno, becais, búnaque, cauaimina, fataluco, galóli, habo, idalaca, lovaia, macalero, macassai, mambai, quémaque e tocodede. O inglês e o bahasa indonésio têm o estatuto de línguas de trabalho nas provisões transicionais da Constituição e por força dos fluxos migratórios de população chinesa, o mandarim, o cantonês e, principalmente, o hakka são também falados por pequenas comunidades.
      O hino nacional de Timor-Leste (Pátria) só existe numa versão e é em Língua Portuguesa.

sábado, 19 de maio de 2012

Manter a Memória Viva


      No passado dia 12 de maio, uma passeata reuniu centenas de pessoas na região central de Pisa (Itália), com o propósito simples de recordar Franco Serantini, um jovem anarquista que morreu há 40 anos atrás numa prisão de Pisa, depois de ser espancado pela polícia durante uma manifestação contra o fascismo.
      Serantini tinha apenas 20 anos e fazia parte do Grupo Anárquista Pinelli de Pisa.
      A marcha, com os manifestantes portando faixas e entoando palavras de ordem, percorreu as principais ruas do centro da cidade até chegar à Praça San Silvestro, apelidada há décadas de “Praça Serantini”, numa das margens do rio Arno, exatamente onde Serantini foi preso.
      Um dos manifestantes disse: “Hoje, mais do que nunca, temos que recuperar as praças e ruas das cidades para defender as ideias pelas quais Serantini lutava. Reiterar que espancamentos, torturas e assassinatos ainda são uma prática comum do Estado contra os opositores políticos, movimentos sociais e, especialmente, imigrantes, pobres, sem abrigo, toxicodependentes… nas ruas, nas prisões, nos campos de refugiados…”
      A história de Franco Serantini marcou profundamente toda a cidade de Pisa e a história de todo o país. Ao longo dos anos muitos eventos e iniciativas são levadas a cabo em diversas cidades de Itália para manter viva a memória de Franco e suas ideias.
      Podes ver um vídeo na seguinte ligação:


sexta-feira, 18 de maio de 2012

Ataque na Turquia


      Na noite do passado dia 14 de maio de 2012, forças policiais especiais fortemente armadas e mascaradas do Estado Turco realizaram uma invasão em várias casas e centros sociais anarquistas em Istambul.
      Sessenta pessoas foram presas, mas este número pode aumentar. Computadores, discos rígidos, publicações e documentos também foram apreendidos.
      A “razão” aparente para os ataques das autoridades turcas são as ações promovidas por “insurrecionalistas anarquistas” durante os protestos do último 1º de maio em Istambul, onde várias lojas de luxo, redes multinacionais e bancos foram alvejados. No entanto, as pessoas detidas não fazem parte dos círculos “anarquistas insurrecionais”. Um deles é anarco-comunista de um grupo chamado “Terra e Liberdade” (Toprak ve Ozgurluk), outro é da “Atividade Revolucionária Anarquista” (Devrimci Anarsist Faaliyet).
      Até agora não foi permitido que nenhum anarquista encarcerado se pronunciasse. Nem mesmo deixaram que eles falassem com os seus advogados. Ainda não se sabe os nomes de todos os detidos. Entre eles encontra-se uma mulher grávida de 8 meses, que nem sequer participou no protesto do 1º de maio.
      O Estado turco vem desenvolvendo nos últimos tempos uma tática de ataques em massa contra todos os tipos de correntes de esquerda. Centenas de membros do partido curdo (BDP) e esquerdistas já foram presos, sem julgamento e até mesmo sem uma denúncia criminal clara. Esta é a primeira operação maciça contra os anarquistas.


quinta-feira, 17 de maio de 2012

O Desalojo da Okupação

      No passado dia 13 de maio de 2012, policiais militares e guardas municipais arbitrariamente invadiram a ocupação Abu Jamal, no Rio de Janeiro, recorrendo a meios truculentos e exibindo armas de fogo, de choque elétrico e gás pimenta.
      Vê o vídeo abaixo.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

A Revolução Cultural Chinesa

      Num dia como o de hoje (16 de maio), do ano de 1966, Mao Tsé-Tung lança o conhecido “Aviso do 16 de Maio”, dando início à “Revolução Cultural Chinesa”, assim conhecida mas de seu nome completo e original “Grande Revolução Cultural Proletária”.
      Esta revolução, foi uma profunda campanha político-ideológica levada a cabo desde 1966 e até 1969, na República Popular da China, pelo então líder do Partido Comunista Chinês, Mao Tsé-tung, cujo objetivo era neutralizar a crescente oposição que lhe faziam alguns setores menos radicais do partido, em face do fracasso do plano económico denominado “Grande Salto Adiante” (1958-1960), cujos efeitos acarretaram a morte de milhões de pessoas devido à fome generalizada, fato conhecido como A fome de 1958-1961 na China.
      Esta campanha de eliminação dos opositores teve vários episódios de violência, principalmente instigada pela Guarda Vermelha, guarda esta composta por grupos de jovens, quase adolescentes, oriundos dos mais diversos setores (militares, camponeses, estudantes, elementos do partido, governo, etc.) que, organizados nos chamados comités revolucionários, atacavam todos aqueles suspeitos de deslealdade política ao regime e à figura e ao pensamento de Mao, a fim de consolidar (ou restabelecer) o poder do líder onde fosse necessário. Estes jovens seguiam com rigor as citações/orientações gerais de Mao compiladas no “Livro Vermelho”.
      Os alvos da Revolução foram inicialmente os membros do partido mais alinhados com o Ocidente ou com a União Soviética, funcionários burocratas, e, sobretudo, intelectuais, a revolução pautava-se também por um grande anti-intelectualismo, uma vez que na intelectualidade se encontravam alguns dos potenciais inimigos da revolução. O ensino superior foi praticamente desativado no país.
      Incidental ou intencionalmente, o movimento acabou enfraquecendo os adversários de Mao e representou uma depuração partidária, contra o revisionismo que se insinuava. O processo foi oficialmente terminado por Mao, durante o IX Congresso do Partido Comunista da China em abril de 1969. Todavia, especialistas afirmam que ele durou, de facto, até à morte de Mao, em 1976, e a subida ao poder de Deng Xiaoping, então Secretário-Geral do Partido, o qual, gradualmente, deu início às mudanças nos rumos políticos e económicos do país.
      Pouco depois da morte de Mao, os membros do grupo denominado Grupo dos Quatro (composto por Jiang Qing, esposa do líder falecido, Zhang Chunqiao, Wang Hongwen e Yao Wenyuan) são presos sob a acusação de terem cometido excessos por ocasião da implementação e consolidação da Revolução Cultural, bem como de ambicionarem tomar o poder.
      Ou seja, a Revolução Cultural, de revolucionária só teve o nome, e de cultural só o pretexto tático inicial, uma vez que foi uma luta pelo poder travada na cúpula entre um punhado de indivíduos, por trás de uma cortina de fumo de um pretenso movimento de massas fictício.
      A questão de como uma luta pelo poder atingiu níveis tão elevados de violência e desordem social tem intrigado os historiadores e especialistas em psicologia de massas e têm sido publicados inúmeros estudos académicos, tanto na China como fora dela, que tentam dar explicações sobre as causas dos acontecimentos daqueles conturbados anos.
      A ilustração abaixo representa a Guarda Vermelha em ação revolucionária com o Livro Vermelho de Mao e foi retirada de um compêndio dos alunos da escola primária daqueles anos. Note-se que, na escola primária, os alunos têm entre 6 a 10 anos.

terça-feira, 15 de maio de 2012

O Mural de Nicolás Neira


      Nicolás Neira foi um jovem anarquista brutalmente assassinado por um esquadrão móvel da polícia, na manifestação do primeiro de maio do ano de 2005, na cidade de Bogotá (Colômbia).
      Este jovem foi brutalmente golpeado na cabeça, provocando-lhe a morte 5 dias depois.
      O esquadrão móvel da polícia denomina-se ESMAD e desde a sua criação, em 1999, é diretamente responsável pela morte de 50 pessoas e um incontável número de maus-tratos físicos de pessoas e comunidades que se manifestem.
      No passado dia 13 de maio, foi realizado um mural em memória de Nicolás, falecido no dia 6 de maio de 2005.
      Não haviam passado sequer 24 horas desde a feitura do mural e já havia sido sabotado com tinta branca de forma a não ser possível ler as mensagens pintadas.











segunda-feira, 14 de maio de 2012

Emma Goldman em Musical


      Estreou no passado fim de semana o musical “Beautiful Radiant Things”, que trata sobre a anarquista Emma Goldman. A peça centra-se no 50º aniversário de Emma, quando ela se encontrava detida numa cadeia do Missouri.
      Marty Durlin, autora do musical, refere:
      «A grande tarefa de colocar a vida e filosofia de Emma Goldman na música. O nome de Emma Goldman foi outrora sinónimo de anarquia, amor livre e violência. Nas primeiras décadas do século XX, ela fez discursos para multidões de mais de 25 mil pessoas com títulos como “Monogamia ou variedade, o quê?”. E num dos seus discursos, supostamente, inspirou o assassinato do Presidente William McKinley. Quer melhor assunto para um musical?»
      A ação decorre num período de dois anos em que Emma esteve presa por se opor ao recrutamento para a Primeira Guerra Mundial. A autora do musical admite que a maior parte das pessoas vê o teatro musical como algo leve e descontraído, o que faz com que a opção por escrever um musical sobre Goldman se torne algo estranho. E diz ainda: “As pessoas têm escrito musicais sobre tudo neste momento. Não é tão estranho quanto parece, mas foi um pouco estranho. Nós pensamos em musicais como sendo algo como South Pacific ou My Fair Lady ou algum tipo de clássico, mas realmente, qualquer coisa funciona.»
      Durlin, tem escrito musicais e peças desde os anos 70 e escreveu o livro, a música e as letras para este musical. Trata-se ainda de uma produção teatral comunitária com um elenco todo de mulheres, com a diretora da KVNF (uma estação de rádio comunitária no oeste do Colorado), Sally Kane, no papel de Goldman.
      Goldman é uma figura polarizadora na história americana. Deixou a Rússia e foi viver para os Estados Unidos ainda adolescente, aí se envolvendo no movimento anarquista, em Nova Iorque. Para alguns, ela foi uma heroína, para outros, uma vilã perigosa. Ela foi uma anarquista, é claro, mas ela foi algo de anarquista dentro do próprio movimento. Há um escrito de Goldman numa de suas memórias sobre ser advertida por se divertir numa festa, tendo dito que: “Eu não acredito que uma Causa que se baseia num belo ideal, em anarquismo, por libertação e liberdade das convenções e preconceitos, deva exigir a negação da vida e alegria”, escreveu Goldman, “Insisto que a nossa Causa não poderia esperar que eu me tornasse uma freira e que o movimento não pode se tornar num claustro. Se significar isso, eu não o quero”.
      Este sentimento foi depois parafraseado em algo como “Se não posso dançar, não quero ser parte da tua revolução”. Este sentimento foi a primeira exposição de Durlin para Goldman, e após pesquisá-la de forma mais completa, admirou a coragem e ousadia que permitiu que ela fizesse tal afirmação.
      “Ela foi incrivelmente corajosa em toda a sua vida, e realmente iria pisar onde outros temem ir”, diz Durlin. “E ela dizia coisas que não estavam sendo ditas publicamente”. “A sociedade realmente não a compreendeu. Ela falava sobre os direitos dos trabalhadores, amor livre e contraceção, e isto está realmente vindo à tona novamente. É Incrível. Alguém da época disse que ela estava uns 8 mil anos à frente de seu tempo”.

domingo, 13 de maio de 2012

Maio de 1968

      Num dia como o de hoje (13 de maio) do ano de 1968, efetivava-se uma greve geral em França, após a noite das barricadas de 10 e 11 de maio.
      Em Paris, uma imensa manifestação de protesto congrega uma massa de cerca de 800 mil pessoas, encabeçada por sindicalistas, estudantes e o anarquista alemão Daniel Cohn-Bendit.
      A polícia retira-se da Sorbonne e deixa que os estudantes a ocupem num ambiente de revolução, formando um fórum permanente e aberto a todos onde ondulam bandeiras negras e vermelhas.
      Os slogans surgem em todas as paredes e a poesia retoma os seus direitos.
      Lêem-se nas paredes: "il est interdit d'interdire" (é proibido proibir), "les murs ont la parole" (as paredes têm a palavra), "Tout est possible" (tudo é possível)...






sábado, 12 de maio de 2012

A Primavera Global

      Começa hoje em diversas cidades europeias, e também um pouco por todo o Mundo, a segunda volta dos movimentos dos “indignados” que há um ano acampavam e ocupavam as praças principais das também principais capitais europeias e do Mundo.
      O movimento denomina-se “Primavera Global” e está confirmado para decorrer em mais de 250 cidades em todo o mundo, incluindo sete cidades portuguesas, todos em protesto contra a crise e as medidas de austeridade.
      O movimento reclama uma “democracia real”, mais justiça social, distribuição da riqueza e ética pública, entre outras questões.
      Em Portugal, onde a manifestação de 12 de Março de 2011 da «geração à rasca» inspirou as concentrações em Espanha no mesmo ano, os desfiles, debates e assembleias populares vão realizar-se em Braga, Porto, Coimbra, Santarém, Lisboa, Évora e Faro.
      Na Grécia, onde a população está sujeita a drásticas medidas de austeridade e onde ainda se espera a formação de um novo governo, está prevista uma concentração na Praça Sintagma (Praça da Constituição) frente ao Parlamento, organizada pelo Fórum Ágora de Atenas.
      Em Espanha, os «indignados» têm previstas manifestações, reuniões e assembleias em diversas cidades do país, destacando-se a concentração marcada para hoje na praça Puerta del Sol em Madrid, onde no dia 15 de Maio de 2011 começou um acampamento de protesto e que deu origem ao movimento 15M e que juntou milhares de pessoas.
      Na Alemanha, em Berlim, os manifestantes vão tentar formar uma estrela de cinco pontas que parte depois para cinco pontos da cidade vindo mais tarde a reagrupar-se na Fonte de Neptuno, em Alexanderplatz e estão ainda marcadas manifestações em Dusseldorf, Frankfurt, Munique, Hannover, Gotinga, Erfurt e Bochum.
      Em França, a manifestação dos indignados tem como mote: «Um vento de indignação corre por todo o mundo». No centro de Paris, onde os manifestantes já difundiram a mensagem de que «votar não basta» vão realizar-se assembleias e debates sobre educação, saúde, meios de comunicação social e justiça.
      No Reino Unido, o movimento “Occupy London” convocou para a Praça de S. Paulo, na city londrina uma manifestação que vai percorrer toda a zona onde estão localizadas instituições bancárias que, de acordo com os «indignados britânicos», constituem um por cento da população que provocou a crise económica e que continua a beneficiar da atual situação. O movimento londrino apelou aos simpatizantes para levarem tendas e assegurou que os métodos de protesto vão ser «pacíficos e criativos».
      Na Irlanda, o grupo “Real Democracy Now Ireland” convocou manifestações em Dublin e em Cork e está a pedir, através das redes sociais, a ocupação pacífica das ruas durante uma jornada que vai decorrer sob o lema «Não somos nem propriedade dos políticos nem dos banqueiros».
      Em Itália, os «Indignados» convocaram uma manifestação em Roma a que chamam “Olimpíada dos Direitos”, junto às ruínas do Coliseu onde vai realizar-se uma assembleia e debates de reflexão sobre o estado da democracia e o estado da economia.
      Na Europa Central e de Leste estão planeadas concentrações, hoje, nas principais praças de Viena, Budapeste, Bratislava, Bucareste, Belgrado e Sofia.
      Nos Estados Unidos, há marchas previstas em Detroit, Chicago e Nova Iorque, cidade onde em 2011 mais de 10.000 pessoas se manifestaram nas ruas do centro financeiro exigindo que a banca pagasse a crise que ela própria provocou.
      Em Portugal, iniciou-se esta tarde, pouco depois das 15H00, uma marcha protesto, em Lisboa, com centenas de pessoas, percorrendo o percurso do Rossio ao Parque Eduardo VII, onde pretendem permanecer até à próxima terça-feira.
      Os manifestantes portavam cartazes com diversos apelos como: «Sê a mudança que queres ver no mundo» ou «A lutar vencemos; a precariedade não é solução».
      Mais info em: http://primaveraglobalpt.info


sexta-feira, 11 de maio de 2012

Deus é Gay?!


      Três jovens com idades a rondar os 19 anos foram identificados como sendo os autores das inscrições na igreja católica da cidade de Santa Helena, no oeste do Paraná (Brasil), há cerca de uma semana.
      Os jovens desenharam o símbolo anarquista, a cruz católica invertida e escreveram frases como: «Deus é gay» e «Pequenas Igrejas, Grandes Negócios» e ainda outra frase em inglês: «Fuck the religion».
      A fachada da igreja é o local de entrada da mesma e situa-se num local bem visível a quem passa.
      O caso teve grande repercussão na cidade, que tem 23 mil habitantes e foi noticiado em alguns órgãos de comunicação como um ato de vandalismo.
      Os jovens identificados pela polícia militar são: L.A.S., M.J.O. e E.R.S. e foram libertados após interrogatório, indo responder pelo ato em Tribunal e aguardando em liberdade.
      Todas as frases pintadas e os desenhos são legítimos mas a frase «Deus é Gay» é que destoa do conjunto, pois todos sabem que Deus não existe, logo não é nem deixa de ser gay, pura e simplesmente não é nada, por inexistência.
      Por que será que escreveram tal frase, bem sabendo (acreditamos) que são jovens ateus. Será que só queriam provocar?

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Feira do Livro em Lisboa


      Vem aí a 5ª Feira do Livro Anarquista de Lisboa, a decorrer nos dias 25 a 27 de maio.
      Podes reservar lugar para a tua banca enviando e-mail para:
      «Esta Feira pretende criar um espaço de debate, encontro e convívio, aberto a todos, aprofundando e divulgando as ideias anarquistas, enquanto ataque real a esta sociedade exploradora, autoritária e antropocêntrica, incentivando as publicações independentes, criando espaços de discussão e de troca de ideias que possibilitem projetos alternativos e modos autónomos de vida.
      Partindo de um inconformismo face a todas as formas de dominação, continuamos a promover o pensamento libertário e a rejeitar qualquer mediação política.
      Acreditamos numa vivência que respeita a singularidade e as diferenças entre cada indivíduo e grupo, numa relação pacífica com a biosfera.
      Acreditamos que é possível pensar a realidade de uma outra forma e atuar sobre ela.»
      Mais info na ligação permanente na coluna dos “Sítios a Visitar”.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Repressão Policial em Amesterdão

      A polícia holandesa reprimiu uma manifestação anarquista no centro de Amesterdão no passado primeiro de maio.
      Pelo menos 23 manifestantes foram presos.
      O protesto teve um início tranquilo, com os manifestantes gritando “slogans” anticapitalistas, portando faixas e bandeiras mas, de repente, um forte contingente de polícias apareceu e investiu contra a marcha, cercando um grupo de manifestantes.
      Muitos ativistas conseguiram escapar do cerco policial, que contava com agentes a paisana, cavalaria montada, furgões, veículos com jato d'água e até um helicóptero.
      Segundo relatos da imprensa holandesa, as autoridades reprimiram o protesto com base numa lei local criada recentemente que proíbe aos manifestantes cobrirem o rosto e portarem faixas e bandeiras com mastros de madeira e ainda que os policias tinham provas que membros do "black bloc" iriam agir naquele dia.
      As pessoas detidas foram libertadas, mas terão que se apresentar no dia 12 de julho no Ministério Publico de Amesterdão.
      Vê o vídeo abaixo.


terça-feira, 8 de maio de 2012

Passeata em Kiev

      Uma animada passeata anarquista reuniu cerca de 500 pessoas em Kiev (Ucrânia) no primeiro de maio, com a presença de vários grupos libertários.
      O protesto foi organizado independentemente das organizações estalinistas e trotskistas. Ao longo da passeata pelo centro da cidade ecoaram vários gritos e cânticos anticapitalistas.
      Os manifestantes levaram faixas, cartazes e apitos. Uma bateria acompanhou e animou o protesto. Apesar da presença da polícia, não houve incidentes.
      A marcha também foi em solidariedade com os ativistas perseguidos naquela região, incluindo as três integrantes da banda punk feminista Pussy Riot, acusadas de insultar o presidente russo Vladimir Putin numa catedral de Moscovo.
      Vê o vídeo abaixo.